Mostra de Cinema de Gostoso exibe online 34 filmes novos e clássicos raros


Quem recusaria um convite para conhecer um lugar chamado São Miguel do Gostoso? Seria mais difícil ainda resistir quando se trata de uma paradisíaca cidade no litoral do Rio Grande do Norte. E que, combinado com sol e mar, lá tem um festival de cinema no qual os filmes são exibidos à noite, na praia. Delícia, né?


Só que, por causa da matança de centenas de milhares de brasileiros, neste ano, a Mostra de Cinema de Gostoso teve de ser deslocada para o ambiente online. Mesmo sem as delícias do lugar, a programação continua forte, composta por 34 títulos, entre curtas e longas, contemporâneos fortes e uma seleção de raros e raríssimos. A vantagem é que dá para assistir a tudo, até domingo, 14/3, num dos poucos lugares seguros nestes tempos pandêmicos: dentro de casa.



Destaques


AÇUCENA

O longa de estreia do baiano Isaac Donato aborda um aspecto imperceptível da vida, o modo como a realidade é interpretada, sobrepondo imaginário, desejos e também fuga. “Açucena” conta a história de uma mulher de 67 de idade que, todo ano, comemora o seu aniversário de sete anos.



CIDADE CORRERIA

Na contramão do Brasil do cada um por si e Deus contra todos, o documentário de Juliana Vicente reafirma a força da criação em grupo ao acompanhar o desenvolvimento, as crises e as descobertas durante a produção de um espetáculo do Coletivo Bonobando.



AS LIBERTINAS

AUDÁCIA - A FÚRIA DOS DESEJOS

Os dois longas, produzidos e realizados por Carlos Reichenbach, João Callegaro e Antonio Lima, são relíquias de um momento histórico, na virada dos anos 1960 para os 1970, em que inventar formas era a resposta possível à repressão.



O BRAVO GUERREIRO

VIDA PROVISÓRIA

DESPERATO

Os três títulos são registros intactos do espírito de 1968, mas não ficaram datados. A crise ética na política e o descolamento entre os valores vigentes em Brasília e no Brasil mostram que, se algo mudou em meio século, foi para pior.


A MORTE BRANCA DO FEITICEIRO NEGRO

O premiadíssimo curta catarinense mergulha no tempo e expõe as raízes do racismo com um misto fascinante de poesia e sensorialidades.



4 BILHÕES DE INFINITOS

Duas crianças soltas num lugar onde não há nada criam um mundo para elas. Este irresistível curta mineiro mostra que o cinema é mais que um lugar, é uma ideia.



Confira a programação completa:


Longas


AÇUCENA (Isaac Donato, 2021)

ANTENA DA RAÇA (Paloma Rocha e Luis Abramo, 2020)

ATÉ O FIM (Glenda Nicácio e Ary Rosa, 2020)

CAVALO (Rafhael Barbosa e Werner Salle, 2020)

CIDADE CORRERIA (Juliana Vicente, 2020)

NŨHŨ YÃG MŨ YÕG HÃM: ESSA TERRA É NOSSA! (Isael Maxakali, Sueli Maxakali, Carolina Canguçu e Roberto Romero, 2020)

VIDAS SECAS (Nelson Pereira dos Santos, 1963)

COPACABANA MON AMOUR (Rogério Sganzerla, 1970)

SÃO BERNARDO (Leon Hirszman, 1972)

CLARO (Glauber Rocha, 1975)

BICHO DE SETE CABEÇAS (Laís Bodanzky, 2000)

MARTÍRIO (Vincent Carelli, 2016)

AS LIBERTINAS - TRÊS HISTÓRIA DE AMOR E SEXO (Carlos Reichenbach, Antonio Lima e João Callegaro, 1968)

AUDÁCIA, A FÚRIA DOS DESEJOS (Antonio Lima e Carlos Reichenbach, 1969)

BOI DE PRATA (Carlos Augusto da Costa Ribeiro Júnior, 1981)

A VIDA PROVISÓRIA (Maurício Gomes Leite, 1968)

O BRAVO GUERREIRO (Gustavo Dahl, 1968)

DESESPERATO (Sérgio Bernardes Filho, 1968)

Curtas

4 BILHÕES DE INFINITOS (Marco Antônio Pereira, 2020)

A MORTE BRANCA DO FEITICEIRO NEGRO (Rodrigo Ribeiro, 2020)

AUTÔMATO DO TEMPO (Rubens dos Anjos, 2018)

CASA COM PAREDE (Dênia Cruz, 2020)

O CONTADOR DE CAUSOS (Coletivo Nós do Audiovisual, 2013)

DE VEZ EM QUANDO EU ARDO (Carlos Segundo, 2020)

FILHO DE PEIXE (Igor Ribeiro, 2018)

LORA (Mari Moraga, 2020)

O MENINO E A CAIXA MISTERIOSA (Leonardo Maximiniano e Andrieli Torres, 2015)

MESTRE MARCIANO (Igor Ribeiro e Rubens dos Anjos, 2021)

O PAI DA NOITE (Hugo Ério e Artísio Silva)

SER FELIZ NO VÃO (Lucas Rossi, 2020)

TRINDADE (Rodrigo Meireles, 2020)

URUBÁ (Rodrigo Sena, 2020)

VAI MELHORAR (Pedro Fiuza, 2020)