Longa de estreia de cineasta palestina tem exibição única neste sábado



Soraya, 28 anos, sempre viveu em Nova York. Ela decide ir à Palestina, de onde sua família foi exilada em 1948. Ao chegar, ela tenta recuperar as economias do avô. Diante da recusa do banco, Soraya resolve tomar as rédeas de sua própria vida.


O cinema como heroísmo, coragem física, encontra seu argumento cinematográfico no sistema de fronteiras arbitrariamente bloqueadas, de vetos à circulação. Uma primeira cena bem-sucedida mostra a protagonista, Soraya, desembarcando no aeroporto e sendo alvo de uma revista agressiva. Esta situação anuncia as que vêm depois, mais ou menos simbólicas, mais ou menos violentas, que figuram a opressão: grades, arame farpado, interrogatórios, averiguações. A continuação da viagem é mostrada de modo mais clássico, entre road-movie e passeio, usando o deslocamento como condição para mapear um país em guerra. Isso provavelmente serve menos para dar a ver - no caso, o contraste entre a Tel-Aviv californiana e a miséria dos territórios ocupados - do que para neutralizar a angústia, manter-se dona de si por meio do movimento do corpo. (Emily Barnett, “Les Inrockuptibles”)

SAL DESSE MAR

Diretora: Annemarie Jacir

Palestina/Bélgica/Franca/Espanha/Suíca, 2008, 109 min


onde ver: Mostra Mulheres Árabes, Cinema e Poesia

10/4, às 17h


Assine a newsletter Filmedodia.com