ELES VIVEM, de John Carpenter, mostra o design que os olhos não veem



por GUS KONDO


Um homem comum encontra um par de óculos especiais que lhe permite enxergar o mundo como ele realmente é: alienígenas disfarçados manipulam a humanidade através dos meios de comunicação, da publicidade e do design.


O protagonista é um operário que não é nomeado em nenhum momento — até ser referido como “Nada” nos créditos do filme. Ou seja, Carpenter escolhe justamente um “Zé Ninguém” da classe dominada para ser o herói que vai pôr fim à alienação e aos alienígenas da classe dominante.





As mensagens subliminares estão presentes em toda e qualquer peça gráfica: outdoors, placas, cartazes, revistas, jornais, embalagens, rótulos e até o dinheiro. Com os óculos, o personagem passa a enxergar ordens de consumo e obediência como “COMPRE”, “OBEDEÇA”, “CASE-SE E REPRODUZA”, “NÃO QUESTIONE”, “TRABALHE” e até algumas mensagens mais profundas como o “ESTE É O SEU DEUS” que aparece gravado no dinheiro.



A solução visual encontrada por Carpenter para fazer uma crítica ao capitalismo desenfreado é genial pois mostra que nós, como espectadores, não precisamos de óculos especiais para enxergar além da superfície. O próprio cinema é um filtro que nos oferece novas formas de ver o mundo.






 

GUS KONDO é designer gráfico para o cinema e criador do Cinelayer.



ELES VIVEM

Diretor: John Carpenter

EUA, 1988, 94 min, 14 anos


Onde ver